quarta-feira, 27 de abril de 2016

Solitário



Solitário


Não se vá de todo
Em mim o vazio deixar-me-á prostrado
Mesmo por engodo
Manda-me pelo menos um olá
Aquele mesmo
 Mesclado a um sorriso e um brilho no olhar

Todo esse mar que nos transforma em ondas
E em praias distantes nos leva
Misturado às conchas
Tem no seu enredo desejos espumantes
Bolhas flutuantes
Suspiros de um coração amante
E solitário

Não se vá de todo
Deixa-me te moldar em versos
É certo que vou te reler a cada dia um pouco
Só assim não vou ficar louco de saudades.

Autor
Carlos Marcos Faustino

28/04/2016 – quinta-feira – 00h12

2 comentários:

  1. Obrigado pelas palavras, por tua presença neste pequeno espaço. Honra-me muito ter você por aqui comigo. Abraços!!

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.