sexta-feira, 24 de abril de 2015

Lírios brancos


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Lírios brancos


Ali o precipício se escancarava
Agora era cair ou simplesmente voar
Tentáculos emergiam como milhões de braços
Nenhum amigo sequer passando em aeroplanos
Ou buscava-se o Pégaso interior
Ou deixava-se cair no fundo fosso
A morte ria-se zombeteira da dor
Brotava-se uma força num desejo sobre humano

Cruel batalha da coragem contra o desespero
Um  que leva ao abismo, outra que uma luz acena
Sobrevoam abutres, acercam-se hienas
Lanças cruzavam-se buscando valer a pena
 Impelir sem piedade  sem  nenhum esmero
Pro fundo do poço, mesmo pouco a pouco
E acabar de vez com esta última cena



Mas num salto abriu as asas feito anjo,
E voou sobre o abismo e sobre os pântanos
Habitou campinas, deitou-se envolto em lírios brancos
E depois subiu ao céus como se fora um  santo.


Autor
Carlos Marcos Faustino
04/04/2015-sexta-feira- 16h21




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.