domingo, 15 de março de 2015

Solidão mata



Solidão mata


A água chega, o fogo apaga
A chuva desce, o povo corre
O vento espalha flores na estrada
Bate-se à porta. Ninguém, nada.

Nenhum sorriso, nenhuma palavra
Nenhum abraço, luzes apagadas
Nenhum olhar amigo
Por companheira, a rua solitária

Num vai e vem de gente que passa
Invisíveis uns aos olhos dos outros
Tal qual uma engrenagem, segue a massa
A solidão em todos é o que mata aos  poucos


Autor
Carlos Marcos Faustino

15/03/2015- Domingo -15h18

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.