quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Oleiro


Oleiro

Esquece
Deixa por conta do céu
O vaso de barro só se quebra
Quando sai das mãos do oleiro
Primeiro, o molda
Cria suas formas
Da-lhe o sopro
E o deixa livre

Depois  sol,
Depois chuva
Estações e amores
Flores colhidas
Impossível não viver a vida
Uma ascensão descabida
Que cessa
Quando os passos trôpegos
Suportam a descida

Mas tudo é recomeço
Todo dia
Nas mãos do oleiro
Formas de vida
Despertam do  que parece nada
Despertam do ontem
De desconhecidos planos

Mas tudo o que mais se sabe
É do amor:
“O que mais na vida toda cabe
E que fica
Pra eternidade”

Autor
Carlos Marcos Faustino

18/02/2015-quarta-feira-14h05

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.