quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Morte de um poeta




Palmas photo Palmas.gif


Morte de um poeta

Desce o que foi do poeta ao solo
Sob a lápide agora repousa
Aplausos pra todos os  amigos
Aplausos pra todos os amores
 Seu último verso deixado escrito
Louva o futuro de cores explicito


Segue o poeta nos versos deixados
Seja nos livros, seja no espaço
Vivo nos olhos, nos sonhos, nos lábios
Talvez dum amor nem existido
Talvez dum amor que nem tenha notado
Talvez dum amor não correspondido


Que cantem pra ele todos os pássaros
Depois de uma chuva dançada no vento
Que renasçam flores por todo o tempo
Pra que suas Sementes, seu canto, poesia
Sirvam de acalanto, quiçá de amparo
Através da vida, através dos dias.


Autor
Carlos Marcos Faustino
05/02/2015- quinta-feira-19h06





2 comentários:

  1. Na mais alta poesia da natureza o poeta insurge esculpido e decantado através dos tempos, mesmo após a sua breve passagem terrena. E isso você traduz num versejar de rara beleza, Carlos Marcos. Parabéns e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado meu poeta amigo. Muito me honra te-lo como amigo. Obrigado pelas tuas gentis palavras.

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.