domingo, 8 de fevereiro de 2015

Morrendo


Morrendo

Perdoem-me pássaros, por seus ninhos
Mas curvo-me à terra que me deu alento
Graças dou as danças do vento
E à chuva que em minhas folhas veio
Descendo às minhas raízes, ao meu seio
Perdoem-me todos, estou morrendo;


Que as minhas sementes com o tempo
Povoem todos os recantos com sombra, flores
E circunde os corações de amores
A vida se renova a cada instante
Vai-se a noite, vem o dia
E o sol com ele renasce fulgurante.


Autor
Carlos Marcos Faustino
08/02/2015- Domingo- 20h44

2 comentários:

  1. Tania Maria Gimenes Brochini
    Se colocar no lugar de uma árvore morrendo é Sul Real. Ficou muito linda.
    08 de fevereiro de 2017

    ResponderExcluir
  2. Tania Maria Gimenes Brochini
    Nunca me imaginei como uma árvore mas se fosse uma seria esse meu recado.
    11 de abril de 2017 às 17:12

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.