sexta-feira, 11 de julho de 2014

Parece

Parece


Parece que o céu se abriu,
Choveu uma chuva verdadeira,
Só não choveu na Cantareira,
E foi assim, quando abri a torneira,
Veio aquele vazio, agua que é bom nem cheiro,
Nem uma gota  que seja,
E eu que tomei tanta cerveja,
Fui descarregar logo no banheiro.

Nem pra higiene, nem pra matar a sede,
Nem para cozinhar o alimento,
Até um cachorro sarnento,
De língua de fora que atravessa a rua,
Procurava uma poça num vão qualquer da calçada,
Mas qual, não sobrou nada, tudo se  foi na enxurrada.

Parece que o céu se abriu,
E a chuva caiu ontem a noite,
Mas qual, depois  de tantos dias de seca,
Esta chuva  a terra sugou, o calor é o que impera
Bem feito, quem manda  os senhores da terra,
Na ganancia que em  seus olhos encerra,
Desmatar a natureza, poluir seus veios d’água,
E sobrecarregar  de poluentes  o céu.

É uma viagem sem volta. A terra expira, agoniza,
Só não vê quem não quer, só não vê mesmo,
Quem só no dinheiro acredita.


Autor
Carlos marcos Faustino
04/06/2014- Quinta feira – 17h28m




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.