sexta-feira, 11 de julho de 2014

O tardio das horas

O tardio das horas

Que me importa o tardio das horas,
Já derramei pelos vãos dos meus dedos,
Todos os meus medos, desvendei segredos,
E estou de partida de bem com este tempo,
Seguimos juntos, jogamos fora todos os rascunhos,
E deixamos pra eternidade o que passamos a limpo.

Que me importa o tardio das horas,
Existem tantos versos que me falam de saudades,
Estão  também nas canções que vão comigo na bagagem,
E este sorriso que no meu rosto estampado fica,
É pra que tu sorrias também na nossa despedida.

Que me importa o tardio das horas.
Tudo é um eterno recomeço,
O sol que se despede no final da tarde,
Desperta e resplandece  em luminosidade,
Mal a madrugada apaga a noite e o dia nasce.

Autor
Carlos Marcos Faustino

12/07/2014-Sábado-00h42m

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.