segunda-feira, 19 de maio de 2014

Vendaval


Vendaval

Assola o espaço e leva tudo afoito,
Os arvoredos põem ao léu os pássaros,
Nos rios as aguas num novo compasso
E nos semblantes aflora um medo doido.

Quedam-se tristes as pétalas das flores,
Relâmpagos se acendem no negro frio da noite,
 E em seus lençóis amantes morrem de amores,
Com muitas caricias e beijos por açoite,

E quando no céu já vislumbra a madrugada,
Reerguem-se as plantas, respiram mais fundo as crianças,
As aves ensaiam uma nova revoada,

Toda aquela cena noturna esboçada,
Depois de tanto vendaval descansa,
Na paz que no sorriso dos amantes se estampa.


Autor
Carlos Marcos Faustino

19/05/2014- Segunda Feira – 16h05m

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.