quinta-feira, 24 de abril de 2014

Solitários

Solitários

“O que  ameaça , mais que um peste, mais que uma traça”
Aberta a gaiola, voam os pássaros, vazio fica o ninho,
Um dia, cedo ou tarde, todos nos encontraremos sozinhos,
A  “TV” calada na sala, os lugares vazios na cozinha,
As camas todas arrumadas, nem chinelos, nem sapatos,
Nem gavetas esquecidas abertas, fitam-nos somente os retratos.

A casa deserta, o eco dos passos e o silencio mortalmente quieto,
Velhos cadernos inda no armário, os pratos empoeirados,
As roupas dependuradas nos cabides e aquela saudade,
Morando aconchegada no cantinho do coração alojada.

As noites intermináveis, a espera agonizante,
A vida que se  arrasta, os anos que pesam nos joelhos e nas pálpebras,
O riso desbotado, as mãos trêmulas, o vazio único companheiro sempre ao seu lado,
Tudo parece tão distante e ao mesmo tempo tão perto,
Tudo de repente te parece tão errado e tão certo,
Mas isso não pode ser motivo de tristeza, olhe pro teu lado,
O mundo estará sempre repleto de solitários.

Autor
Carlos Marcos Faustino
29/03/2014—Sabado-00h09m


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.