quinta-feira, 3 de abril de 2014

Faces

Faces

Viram-se as faces todas, como uma engrenagem,
Abstraem-se absolutos,  indisfarçáveis,
Tecendo conjecturas implacáveis,
E fogem da arena, saem de cena  feito  personagens.

Nos teus minutos em que tudo é tão disperso,
Vê no teu palco somente o teu eu solitário,
Escreva a tua tristeza  na pagina do teu diário,
E deixe tua peça rolar rumo incerto.

Talvez nem aplausos no descerrar das cortinas,
Mas em murmúrios  vão  te louvar  os  feitos,
Talvez a s  mesmas faces lhes voltarão as retinas,
E sem mesuras  vão desfiar  teus defeitos.

Autor
Carlos Marcos Faustino
03/04/2014- Quinta Feira -13h29m


Um comentário:

  1. Tania Maria Gimenes Brochini
    Linda. Vou descobrir alguns sinônimos pra ñ ficar tão repetitiva.
    04 de fevereiro de 2017

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.