sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Janelas da vida

 Conto

Janelas da vida

Espreitou pela fresta  da janela. O silencio da rua  envolto naquela neblina que caia aquela hora dava calafrios. Que solidão mais doída. A casa transpirava isso por todos os cômodos. O sono há muito tempo o deixara na mão. Passava assim as noites  dos lençóis à janela na esperança de que o dia logo chegasse pra que todo aquele silencio fosse preenchido pelo barulho comum dos dias.
As imagens da vida que tivera  estampava-se sempre em sua mente. O riso das crianças, as algazarras com o cachorro, o cheiro do café forte nas manhãs, o doce sabor dos antigos almoços.
Aos poucos as crianças cresceram e alçaram seus voos. Quando debandavam pra casa nas férias ou feriados prolongados, a vida explodia novamente em alegrias. Entre risos e canções tudo era tão mágico, Os amigos aos poucos também tomaram outros rumos, perderam-se em suas vidas, em seus círculos ou então foram tragados  pela roda vida que os levaram a outros planos.
A mulher partira há muito tempo. Ficou-lhe o perfume,  a expressão feliz apenas no álbum de fotografias. Era ali que  quando lhe dava saudades  revivia tudo.
Mas aquela noite havia algo diferente no ar.  Sentia que a qualquer momento alguma coisa pudesse acontecer. O coração apressava-se  no peito, o seu olhar continuava a procurar  alguma coisa que não sabia bem o que era, mas que sabia que iria acontecer.
Volveu aos lençóis, deitou-se, fechou lentamente os olhos. Uma tênue luz começou a esgueirar-se  dentro do quarto. Ao seu lado foram preenchendo todos os espaços. Uma calma infinda inundou lhe  a  alma. Agora sabia  que era chegada a hora. Sentia que terminara seus momentos de solidão. Novamente os afetos antigos estavam todos ao seu lado.
E assim  desprendendo-se lentamente deixou o leito e foi se juntando aquelas luzes alvas que tanta paz trazia ao seu coração. Da mesma forma  que penetraram no quarto, as luzes pela mesma fresta saíram noite afora.  Amanheceu. A vida seguiu a sua trajetória.

Autor
Carlos Marcos Faustino

17/01/2014- Sexta feira- 11h57m

3 comentários:

  1. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Antonio por sua visita. Ficarei feliz em seguir teu blog. Ja acessei, não sei se consegui me cadastrar la. Ta tudo em inglês. Da uma olhada e veja se consegui, se não , diga-me como fazer. Fico muito feliz por te-lo também no meu. Abraço

      Excluir
  2. Tania Maria Gimenes Brochini
    Muito linda
    05 de fevereiro de 2017

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.