segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Goteiras


Goteiras...

 Primeiro um pingo vem caindo apenas,
 Somente um pingo  se outro não viesse,
Depois mais pingos  tornam-se goteiras,
Descendo do telhado nas roseiras.

E assim as pétalas se desfalecem,
E vão rolando enxurrada afora,
É o roseiral então que também chora,
Por suas rosas que estão indo embora.

E dos meus olhos  pingos  também caem,
Como os pingos  caem nas roseiras,
Quando afetos vão-se embora, partem,

E minha alma fica triste  e chora,
Por muito tempo tal qual  as goteiras,
Que dilaceram a beleza das rosas.



Autor:
Carlos Marcos Faustino
Sexta feira – 22/06/2012-  00h08m h
Hoje faz apenas  12 anos  que meu pai partiu 

6 comentários:

  1. . Caiu sobre mim a tua poesia. Estou lavada de alegria.

    ResponderExcluir
  2. Tania Maria Gimenes Brochini
    Sonetos pra mim é a forma mais difícil de compor poesia e você o fez com louvor. Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Reparou que os homens aparentemente não leem poesia, mas são eles os que mais escrevem?

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.