terça-feira, 12 de novembro de 2013

Cálice


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Cálice

Eclode um turbilhão que explode e vaza,
Escorre, varre tudo feito lava de vulcão,
Nem uma viva alma do caminho se salva,
Nem sonhos, nem desejos e ilusões.

O corpo cai ,depois derruba a essência fora,
Que despojada, leve,  novos rumos segue,
O cálice que em vida mostrou-se forte,
Quedou-se e num descuido, veio a morte.

O tempo que norteia  a existência,
Que tem dia  e hora demarcada,
Pode mudar  o  rumo de nossas águas,
Às vezes  por nossa total incompetência,
Em não saber  lidar com nossas  mágoas.


Autor
Carlos Marcos Faustino
12/11/2013- Terça Feira – 10h48m





Um comentário:

  1. 1 Sibeli Mendes
    Comentários
    Rosa Paula Gomes
    Rosa Paula Gomes
    Linda e Real.
    Assim acontece: quem guarda mágoas e rancores por muito tempo adoece, cria câncer e falece o corpo antes do tempo determinado.
    05 de fevereiro de 2017
    Aconteceu c Luiz Carlos.

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.