quinta-feira, 20 de junho de 2013

Porteiras



Porteiras

Choro ainda as lágrimas que acumulei em caminhadas,
Galguei barrancos, atravessei  várias porteiras que pareciam fechadas,
Deixei  também  muitos sorrisos enquanto sonhos eram desenhados,
A minha realidade por vezes  deixou-me do mundo alienado.

Por que Oh! Deus  é tão cruel da vida certos momentos,
Em que não há portões, nem portas ou mesmo um muro pra ouvir certos lamentos,
Por que Oh! Deus  este mundo nos reserva tanta desilusão, nos enchendo de medos ,
Por que ainda somos escravos  dum sistema onde só impera o dinheiro.

Por que neste mundo somente interesses escusos é que são valorizados,
Por que a honestidade   é sempre deixada pra segundo plano,
Por que   é que os homens de bem  são por vezes castigados,

Em verdade  mesmo com o passar de tantos anos,
Luta-se em vão pra romper  tantos obstáculos, tantos portões fechados,
Vive-se uma vida  inteira sem chegar onde aspiram chegar os sonhos.




Autor
Carlos Marcos Faustino

20/06/2013- Quinta feira – 14h30m

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.