sábado, 11 de maio de 2013

Mãe


Mãe

Quando adormecer, mãe, vou  procurar teu abraço,
Teu carinho, teu aconchego, como se fosse menino,
Como se a vida fora de novo  por nós vivida,
A nossa velha casa, o seu jardim, os nossos primeiros  passos.

Os nossos antigos domingos, os raios de sol no amanhecer,
A chuva a bater no telhado, a rua quieta no anoitecer,
O sono ao  teu lado, quando tudo parecia tão complicado,
 A chama do teu calor  e o  teu olhar a nos circundar de amor.

Quando adormecer, mãe,  não me deixe que desperte,
Sem matar toda esta saudade,  sem matar toda esta vontade,
De  te ver neste momento, mesmo  que em meu pensamento,
Estejas  sempre comigo,  estejas  sempre presente.

Por  isso, aqui venho, mesmo estando adormecido
Deixo-te meu coração de filho,  neste domingo bendito,
Minha mãe, mesmo distante, em sonhos por uns instantes,
Eu sei que estarei contigo


Autor
Carlos marcos Faustino
12/02/2013- Domingo – 01h 16m
Dia das mães.

Um comentário:

  1. Nenhuma palavra mais caberia pra expressar esse amor eterno que transformou-se em saudades...Completo e perfeito!!! Parabéns!

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.