quinta-feira, 7 de março de 2013

As cores do meu mundo


                                                   Nenhum texto alternativo automático disponível.
As cores do  meu mundo
 A cor que meu mundo traz
Ora entristece, ora compraz,
As fontes e os rios que saltam,
Caindo do alto da serra,
Desenham  naquele espaço,
Lindas Poeiras d’água,
Mas vão se juntar as  sujeiras,
Deixadas por nós nos regatos.
As nossas matas tão verdes,
Depois de tantas  tombadas,
Depois de tantas queimadas,
  contém tantas clareiras,
Já não são tão altaneiras,
Pelo verde da Bandeira,
Pela raça brasileira,
Precisam ser preservadas.
Que o nosso céu  de estrelas,
Esteja sempre iluminado,
Poluição e fumaça,
Que o tornam tão  nublado,
Ofuscam a sua beleza,
Meu Deus salve a natureza,
Filho, a mãe Terra implora!
Desperta  ! a ajuda é agora.
Sai da inércia, vai a luta,
Protesta  como quiseres,
Refloresta, investe,
Se isso não te satisfaz,
Junte sua voz aos demais,
Pela vida, pela paz,
Pelo vigor das matas,
Pelo fulgor das cascatas,
Pelos rios mais transparentes,
Por homens mais conscientes,
Por todos os animais,
A cor que este mundo traz ,
Pode e deve melhorar,
Basta dar  a natureza,
O amor que ela nos dá,
Através de frutos, flores,
  E tantos outros esplendores,
Ela até  nos dá o leito,
Quando o coração no peito,
Deixar de bater, ...parar.
Autor
Carlos Marcos Faustino
16/02/2013- sábado – 23h 13m

Um comentário:

  1. Estou arrepiada! Uma outra visão muito bem explorada. Estou encantada. Amei. Parabéns, amigo!

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.