segunda-feira, 11 de março de 2013

Arredores


Arredores
Nos meus  arredores, flores,
Repletas nos meus jardins,
 E Nos versos  dos meus  sessenta,
uma poesia que só fale de mim.
 
Nas veias  nada mais concreto,
Abstrato  sentimento,
Pulsa, sacode o sangue,
Ignoro e por  isso  veto.
 
Emoção contida segue
no frio raciocínio breve,
Explode a artéria e sangra,
 E cala em seguida a matéria.
 
O dia amanhece  e morre,
Toda noite alguém desfalece,
Na balada dos seus sessenta,
Toda noite a vida escorre,
Quem pode agüentar,  agüenta.,
Quem não pode, segue, se alimenta.
 
E nos arredores murcham flores
 Do Céu  chuva ou sol no   cimento
E nas tarde frias, vento, muito  vento
E assim vai passando o breve  tempo..
Autor
Carlos Marcos Faustino
12/03/2013- terça feira – 00h 23m
:

2 comentários:

  1. Roseli Lopes
    Belas e sábias palavras...Vc escreve e a cena vai sendo deslumbrada . Parabéns.
    13 de março de 20147 as 09:07

    ResponderExcluir
  2. Rosa Paula Gomes
    Mais uma vez muito linda. Amei
    13 de março de 2017 `s 10:27

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.