terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Poeira




Poeira
Meus rastros na areia que a poeira leva,
E que  desenha no espaço no compasso do vento ,
Traços da minha vida que vai-se  com o  tempo,
Resquicios   de dor, trevas, e sofrimento,
Perderem-se nos  idos do meu pensamento
Meus olhos voltado s pra além firmamento,
Onde por lá a poeira, não revela sujeira,
não esconde a beleza mas é com certeza,
algo tão fascinante ja que é nas nuvens densas,
ela tão importante  com o gás juntamente,
se entrelaça  e provoca o nascimento de estrelas.
Então a cada novo passo vou semeando a calmaria,
Abro meu sorriso e pra cada lado, vou jogando o meu abraço,
Que leve a poeira as  tristezas e dores,  porque  a alegria,
Busco na beleza das coisas da vida e vou  assim
 renascendo a cada dia, tal como fazem  as  estrelas.
autor
Carlos Marcos Faustino
22/01/2013- Terça feira – 21h 48m

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.