terça-feira, 18 de dezembro de 2012

O fim do mundo


Conto

 
                                                O fim do mundo

 

Bobagens para uns, pra outros, entretanto ficava aquela dúvida roendo por dentro. E se acontecer mesmo. , afinal quando Noé começou a construir a Arca, todos zombavam dele. Outros o chamavam de louco, mas por fim, loucos foram os que não quiseram adentrar a Arca e  acabaram perdendo as suas vidas.

 Os dias transcorriam iguais, o tempo num relance engolia as horas e num piscar  de olhos já estávamos há apenas 07 dias pro fim do mundo. Eu pensava em tomar algumas providências, mas por outro lado era melhor que fizesse isso em segredo pra que não me classificassem como um  louco . Comprei algumas  velas  sete dias, comprei  também alguns galões de água, que afinal não seriam perdidos, se o mundo não passasse por aqueles  três dias de escuridão , nós consumiríamos tudo aquilo ao longo dos dias do mesmo jeito.  Embora não acreditasse  piamente em todas aquelas profecias e teorias eu procurava repassar o que  tinha conhecimento ou o que alguns me repassavam na tentativa de  abrir os olhos dos  outros para que pelo menos se precavessem. Haveria  também alguns sinais, eu soube por alguém.  Talvez uns terremotos aqui, uns tsunamis ali, enfim eram esperadas  algumas catástrofes que eclodiriam  neste tempo. Adormecia toda noite com o pensamento naquilo tentando visualizar como   seria esse final dos tempos.

 Acordei assustado certo dia, olhei no calendário e La estava em letras garrafais a data 21/12/2012, Saltei assustado. O tempo fechara-se num segundo. Um enorme temporal prometia muito. Apesar  do dia já ter clareado um pouco, observei que nuvens negras tomavam conta do  céu. Relâmpagos cruzavam o espaço de sul a norte, de leste a oeste. Seria agora que os anjos com suas trombetas desceriam das nuvens pra separar o joio do trigo, ou então será que desceriam naves por todos os lados abduzindo algumas pessoas e deixando outras? Afinal, melhor seria ser abduzido ou seria  melhor ficar. Algumas correntes diziam que os abduzidos seriam os que tinham muitos pecados e então seriam transportados pra outro planeta pra seguirem sua evolução e os demais ficariam na Terra que então passaria  a ser um planeta onde não  haveria mais dor, nem sofrimentos, nem mortes, nem dissensões. Na verdade fosse o que fosse acontecer comigo eu temia ser  separado de meus entes queridos.

 De repente  escureceu totalmente, entramos em casa, vedamos todas  as frestas, acendemos as velas e ficamos ali em oração pedindo piedade pra que Deus não nos separasse. Gritos de dor  se fazia ouvir de todos os lados pedindo misericórdia. Era mesmo o final que tanto disseram e  que muitos não  acreditaram . Alguma força me sugou e então me vi mergulhado num túnel  sem fim onde muitas pessoas giravam por todos os lados em prantos e ranger de dentes. Esbarrei de súbito num solo  pantanoso e frio. É... eu já havia morrido. Num grito prolongado e horripilante meu corpo todo se agitou e foi ai que despertando abri  os olhos. Graças a Deus  tudo não havia passado de um terrível pesadelo.    fora o sol  mostrava alguns pequenos raios. Chovia também. Certamente não devia ser tão cedo assim. Um lindo arco Iris cortava o céu esplendoroso, Deus ainda estava conosco. Meu pai dizia que enquanto existir arco  íris no céu  Deus manterá uma  aliança com seus filhos na Terra. Olhei no calendário. Era 21 de dezembro de 2012.   A vida  continuava a seguir normal o seu curso. Agora era só esperar e abraçar com toda a garra o ano de 2013 que estava por chegar

 Autor

Carlos Marcos Faustino

Sexta feira- 14/12/2012-

 17h32m

Um comentário:

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.