sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Platônico


Platônico
Este amor sentido talvez  o primeiro, talvez o último,
Amor vivenciado, sofrido, relegado, talvez o único,
Que em noites solitárias sobreviveu num sonho lúdico
Inspirou-me   viver  angustiado, calado,sofrido e trôpego
Embora infinito, profundo, este  companheiro magnífico,
Este amor sepultei  e o transformei  num doce bálsamo
Pra ser recordado em momentos  que me sentir péssimo
Em todos os momentos que eu me sentir  náufrago
E se morrer  bastasse pra  não esquecer este sentimento mágico
Eu morreria num sorriso dulcíssimo, eterno, nostálgico
Pois um grande amor mesmo  sentido no âmbito platônico
Foi energia  que ao pulsar fez emergir  versos  dramáticos.
autor
Carlos Marcos Faustino
30/11/2012-Sexta feira- 11h02m

2 comentários:

  1. Caramba, Marcos!
    Mandou muito bem!
    Nota mil!
    Adorei seus versos, destestando sua modéstia.
    Parabéns!
    Abraço!

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.