sábado, 3 de novembro de 2012

As pipas


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
As  pipas

Da minha janela, uma pipa a mercê do vento,
Bailava, descia, subia, contento,
Meus olhos a seguiam, enquanto voava,
 E os meus pensamentos pairavam no tempo,
A pipa cai é por falta de vento?
Então porque outra pipa do alto
Bem alto tranqüila a contempla.

Qual pipa ao relento, desgovernado,
 É que me sinto em momentos de ventos parados,
E caio dançando aos poucos no espaço,
E morro aos poucos desesperançado.

As pipas sobem e descem em mágica harmonia,
E nós ao descermos, o que  nos falta é  alegria,
As pipas são manipuladas pelas mãos dos meninos,
E nós manipulados pelas mãos do destino.

autor
Carlos Marcos Faustino
04/01/2010- Segunda Feira- 12h10m
                          

Um comentário:

  1. Tania Maria Gimenes Brochini
    Muito linda. As vezes somos pipas outras o vento.

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.