sábado, 19 de abril de 2014

Súplica de um guerreiro


 
                                                           A imagem pode conter: uma ou mais pessoas


Súplica de um guerreiro

Velhos  cabisbaixos, pensativos,
Olhares perdidos em tempos de glória:
Guerreiros  das matas, vitórias, vitórias;
Comida era farta, vinham das caçadas,
Das pescas, das idas e vindas na floresta
E tudo era festa,  cantorias e danças
E enquanto o sol ia... a lua chegava
A noite partia... o dia raiava.
E dos mares, através da matas
Pra  clareira nas tabas vieram
Chicote, chibata, morte
E peste que a tudo devasta,
Minguavam-se as tabas, As ocas tombavam
As vidas ceifavam, mulheres perdiam-se
Crianças  então nasciam  e a fome, chegava.
O branco ora expulsava, ora escravizava,
E o índio arfava,  o índio morria
Nas tabas mulheres magrelas  de olhos molhados,
de tetas secas e  fome que  no ar pairava.
Tupã! Oh! Tupã! Que manda na chuva,
Que manda no vento  e garoa,
Que manda no canto da  passarada
Que ecoam  nas matas,
Nas ondas das águas  que morrem na areia
Tupã! Oh! Tupã! Que faz nascer  vidas
E que nos dá a morte, nos diz, Oh! Tupã!
Por que esta sorte? Por que nossa raça
Esta sendo extirpada, banida, varrida
Por que nossa terra está sendo tomada?
Dê-nos um motivo, um milagre, um consolo,
Por que tudo isso? Até quando este martírio?
Desperte-nos deste fatal  delírio !
Salva  nossa tribo, salva nosso povo? 

autor
Carlos Marcos Faustino
09/05/2012- Quarta Feira - 12h00m


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.