terça-feira, 9 de outubro de 2012

Roteiros




Roteiros


(De minha cidade- Tupã)

S e entrares na cidade
Pelo trevo principal
 Seguindo um pouco adiante
Pela “J. Ari Fernandes”
Tem-se a Rodoviária
 De nome “Guerino Seiscento “,
Seguindo um pouco à frente
Passar os trilhos da FEPASA
Deparas com a “Tabajaras”.

 E seguindo ela inteira
Até onde a vista vê
Chega-se num sinaleiro
Que dobrado à esquerda
Bem no quarteirão abaixo,
Museu Índia Vanuíre
Contém toda nossa historia
Nossos heróis, nossos índios
E todas nossas memórias,
Tudo desde a fundação
E nesse solar sepultado
O fundador Souza Leão


Mas se você não dobrar
A rua no sinaleiro
Lá é a Praça da Bandeira
Tendo no centro a Matriz,
A delegacia de ensino,
Outrora o Grupo Bartira,
Tem-se o espaço “Zé Pretinho”
Bem de lado a sua esquerda
O Paço Municipal
Arquitetura e beleza
Muito verde, a natureza
Por ali também se vê;
Tem quiosques, tem o “PIT”
Pra turista se informar
Dos pontos de toda a cidade
Para ele visitar
Tem-se também TV Câmara
Que nos mantém informados
De todo acontecimento
E que nos dá conhecimento
De todos por nós votados.


Descendo “ Caingangs “ afora
No primeiro sinaleiro
Tem-se a avenida central
Que ali passa e vai embora

“Tamoios” é o seu nome,
Nasce quase no Hotel Cazuza,
(antigo colégio de Freiras)
Descendo linda e faceira
Tendo ali no seu começo
Uma agencia bancária,
 E a Policia Militar,
Um monumento aos tropeiros
Que ali vinham descansar
De suas longas viagens.

Logo após bem na esquina
Nasce uma obra sonhada
Pelos artistas da terra
De Tupã  denominada
Nasce o nosso teatro
O nosso espaço das artes
Bem defronte ao estádio
Alonso Carvalho Braga
Tendo ao lado por vizinhos,
O Ginásio Elias Kenaifes
Totalmente reformado
E o corpo de Bombeiros
Que nos protegem a vida,
Nosso meio ambiente,
Eles são sempre os primeiros
Nos salvamentos e incêndios
Tem nosso agradecimento.

Mais abaixo, o cemitério
O primeiro da cidade,
“ Cemitério  São Pedro”
Onde também são deixados
Os nossos entes amados,
Quando se vão embora, partem
E nos deixam angustiados.

Mas voltando à Avenida
A partir daquela esquina
 Que tão linda vai ficar
Bem ao lado do Estádio
Tem um ponto onde noitadas
De luzes, musica e festa
Sempre ocorriam por lá,
Era um clube da cidade
Em que só a sociedade
Poderia freqüentar
 Isso  são idos de outrora
Pois a sociedade de agora
Pouco aparece por lá
Em verdade está fechado
Pronto pra ser reformado
E em   outra coisa se tornar.


E como dizia a principio
Que a Tamoios segue afora
Descendo rumo a “Aimorés”
Lojas, bancos, bancos lojas
Olhando todas as vitrines
Descem mulheres, meninas
E alguns engravatados
Que devoram os seus pratos
Nos seus horários corridos.

E naquele cruzamento
“Da” Tamoios “ e “ Aimorés´”
Pra quem desce, à esquerda
Bem lá no fim da baixada
O Clube Marajoara
Agora denominado
Clube dos Comerciários.


E a rua vai embora
Siga as placas;
Logo à esquerda a Santa Casa
Mas não vire, siga em frente
Num posto de gasolina
A rua em V se divide,
(À direita a rua segue
Bairro do sete/Arco Iris
E aeroporto Faria lima),
(E a esquerda um clube
“Bancários” denominado)
Tendo à esquerda o começo
Do Parque Universitário.

Mas daquele cruzamento
Da “Tamoios” e “ Aimorés”
 Pra quem vira à direita
Chega-se ao INSS
E pra quem inda não para
A rua segue mais longe
Sobe e desce, desce e sobe
Chega ao parque do Atleta.
Passa outro cemitério
Bem recente inaugurado,
Passa pelo Delta Ville
Vai chegar até Parnaso.

Esqueci de mencionar
Que à esquerda do “ Atleta”
Após populares casas
Chega-se à Universidade (UNESP).


Se  entrares na cidade
Pelo trevo da “CAMAP”
Inicialmente defrontas
Com a Praça dos Japoneses,
E ali escolheres pode
Seguir “Estados Unidos”
Pra se chegar à Avenida,
 Ou então tens opção
De entrar no “Parque das Nações”,
Ou seguir “Brasil” afora
Passando por “Nhambiquaras”
“ Caingangs” e ““ Aimorés”
Pra chegar ao Clube  “Thermas”
O local das águas quentes
Que se encontra abandonado
Até quando não sei
 Se ele será retomado.

Mas se estas vindo de” Marília”
E adentrar nossa cidade
Pelo trevo “Chaparral”
Tens de um lado a Vila Inglesa
Ruas largas, que beleza
Até o pontilhão FEPASA,
Tens do outro o Fred Ville
Um condomínio fechado
E do pontilhão à esquerda
A alguns quarteirões acima
A faculdade FAAP
E à esquerda do pontilhão,
 O Cemitério da Saudade.

Alguns pontos que omiti
E que são também importantes
Não foi por esquecimento,
Em outra ocasião volto
Volto em outros momentos
Pra exaltar meu sentimento
De amor por esta cidade.

 Autor
Carlos Marcos Faustino
Terça Feira -09/10/2012
12h42m 

Um comentário:

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.