segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Chuva



Chuva

À tarde o sol se espreguiça  e deita no horizonte,

As nuvens tornam-se num tom ouro  reluzente,

A noite lentamente  vem trazendo estrelas

Em tempos que a chuva não vem constantemente.

Mas se  a chuva   vem calma  e paciente,

A terra  agradece aquela bendita água que desce,

Mas se o vento assobia, e um temporal principia

Pra Deus  se eleva  o pensamento em prece.

Noite ou  dia, chuva é prenuncio de alegria,

É vida, é renascimento e também  é poesia,

É o combustível  que  em tudo  opera. 


É  responsável  pela   beleza  da primavera

E por todas as formas de vida que aqui  acaricia,

Chuva é  bendita, que seriamos  nós sem ela.



Autor
Carlos Marcos Faustino
25/09/2012- Terça Feira- 16h47


Um comentário:

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.