segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Cabelos Brancos


Nenhum texto alternativo automático disponível. 

Cabelos brancos
Esses seus cabelos brancos, nem são poucos, nem são tantos
E você  nem sabe o quanto, ah! Você nem imagina
O  quanto e  tanto, estes seus cabelos brancos , me fascinam,
E   voce nem sabe o quanto, neste olhar sereno  e manso
É que encontro o  meu sentido,  é que encontro o meu descanso,
É o portão do paraíso pra esse amor correspondido,
É a paz pra minha alma, quando vejo o seu sorriso.
É ! Você   nem sabe o quanto, que esses seus cabelos  brancos,
Que esse olhar sereno e manso e que a luz do seu sorriso
É tudo isso que eu preciso pra  que me mantenha vivo,
Por isso é que agradeço esse amor, sei que mereço,
Obrigado meu senhor por essa graça que  alcanço.

3 comentários:

  1. Belo poema que carrega um sentimento contido e uma paixão declarada. Lembra meu amado Pai...

    ResponderExcluir
  2. Tania Maria Gimenes Brochini
    Como todas, muito linda!
    17 de março de 2018 às 18:40

    ResponderExcluir
  3. Zuza Gimenes
    Linda!
    18 de março de 2018 às 10:44

    ResponderExcluir

LICENÇA - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Licença Creative Commons
Todos os textos de Carlos Marcos Faustino, bem como de demais autores postados no Blog de Faustino Entreletras é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://faustinopoeta.blogspot.com.br/.